segunda-feira, 25 de abril de 2011

O Crescimento do Islamismo e o Futuro do Planeta Terra:


O que a Grande Imprensa Não Quer Que Você Saiba:

"O decréscimo de uma população diminui proporcionalmente a seu conhecimento e cultura". 



O mundo em que vivemos hoje é resultado e herança das eras de feudalismo e domínio implementado pela mentalidade judia cristã de medo e culpa das quais somos herdeiros sentimentais e intelectuais, que faz com que os membros da raça humana vivam hoje com quase o mesmo intelecto, conhecimento a respeito de si mesmo e sentimento da realidade que tinham na idade média, com a diferença que hoje eles podem desfrutar de um pouco mais de conhecimento e tecnologia.





Toda a cultura pop, governos, grande imprensa e grandes meios de entretenimento e comunicação trabalham juntos, (manipulados por “mãos invisíveis” a maioria), que tem como objetivo esconder a Verdade sobre a origem da raça humana e a verdadeira história do planeta terra.



Graças a máquina de propaganda e guerra estadosunidense, A religião islâmica e os povos do oriente não podem ser visto hoje pela maioria das pessoas reféns da cultura americana e suas heranças nos países do mundo, principalmente os jovens, sem ser de forma caricata e ridicularizadora. 

Por décadas e mais décadas Hollywood tratou de implantar em nossos planos inconscientes a imagem ridícula e parada no tempo dos árabes, palestinos e todo e qualquer povo do médio oriente que esteja em contato com a história de maneira viva e não baixo a doutrinação mental do império americano. 



O trabalho incessante de Hollywood e dos Magnatas da Elite para que as pessoas vejam árabes apenas como “terroristas” se deve as guerras por controle na ponta da pirâmide Social.

Para que uma cultura seja mantida por mais de 25 anos, a taxa de fertilidade deve ser de 2.11 por habitante. Se for menor que isso ela deixará de existir.  
Levando-se os cálculos em consideração, a Europa e o mundo como conhecemos hoje não deixará exatamente de existir, mas será um ESTADO ISLÂMICO.



A frança Hoje já tem mais mesquitas que igrejas. 30% dos jovens franceses com menos de 20 anos são muçulmanos. Em 2027 um em cada cinco franceses será muçulmano. Em 39 anos a frança será uma REPÚBLICA MUÇULMANA.

50% Dos recém-nascidos na Holanda HOJE é de origem muçulmana. A Rússia tem 23 milhões de muçulmanos e em 5 anos 40 por cento de seu exército será muçulmano. Na Bélgica 25 por cento da população é islâmica e 50 por cento dos recém nascidos. Em 2025 um terço da Europa será muçulmana (em menos de 20 anos) e em 2050 a Alemanha será uma república muçulmana.

Ao contrário do que gostariam os Sionistas, a Classe Média, a rede globo, os evangélicos fanáticos e outros ignorantes da pesada, esse não é exatamente um motivo para alarme. As pessoas se alarmam por que pensam que os muççulmanos são uma coisa que eles definitivamente não são que é: “terroristas” e “Ignorantes”.

Ao contrário do que o cinema nos faz pensar, os Árabes apesar de ser parte do mundo capitalista, não fizeram rituais de adoração a Deuses do Mal como sabemos que faz a elite americana e seus controladores sionistas que estão por detrás de Obama e de todos os presidentes americanos.

Recomendo que todos os jovens de meu país viagem aos países da religião muçulmana, entre em contato com as pessoas desses países e com os imigrantes dessa religião e estados muçulmanos. Isso basta para descobrir quanta mentira e desinformação tem nos controlado e dirigido nesse planeta nos últimos Sete mil anos.  


Se as pessoas de coração aberto deixarem os muçulmanos mostrarem a nós sua cultura descobriremos uma nova forma de respeitar as diferenças.

A forma que sempre foi praticada por eles e nós não percebemos.

A religião muçulmana respeita o profeta Jesus como um dos muitos enviados por Deus e não como o “exclusivo filho dele” com as mentiras do catolicismo querem nos fazer crer. 


Um mundo muçulmano seria um mundo de respeito e admiração as mulheres, muito mais real do que a prostituição maquiada nos nossos valores tidos como “naturais” ou “contemporâneos”. 


As burcas e outras formas de vestimentas são uma tradição e um direito da mulher muçulmana que europeus querem travestir de “machismo” e rechaçar, proibir, desinformar através de tumulto e protestos. Apenas para criar mais guerra, confusão mental e acima de tudo divisão entre as pessoas do povo reforçando assim a liderança e manipulação dos políticos para banqueiros e Elite.


Existe uma série de coisas que as pessoas podem fazer para boicotar as mentiras do império americano que controla as impressões das pessoas a respeito do mundo, a mais simples delas é deixar de ver TV e consumir produtos das multinacionais de alimentos que financiam as guerras e o poder bélico deles. O nosso despertar pode ser confortável. O que não pode é ser COVARDE.







Que Deus Abençoe a Todos.
Namastê

Ruy Abril de 2011


4 comentários:

  1. Interessante... já havia visto o vídeo, mas vim para dizer outra coisa... sobre os híbridos.

    Veja que interessante o trabalho da escultora Kate Clark (basta "googlar" o nome)... quem sabe a manifestação de "nossos amigos" no plano material não esteja bem próximo.

    Provavelmente estou viajando.

    Nergal

    ResponderExcluir
  2. Ola nergal
    Obrigado pela dica, o trabalho dela é mesmo impressionante. Já é o 2º comentário seu aqui no blog, e eu acho suas colocações super pertinentes e interessantes. Seu conhecimento é bastante peculiar e gostaria de conhecer você melhor. Se tiver alguma direção de email ou contato, da um toque: Abraço. Namastê.

    ResponderExcluir
  3. Ah sim não tem nenhum problema viver entre muçulmanos. A não ser pelo sentimento religioso sobre a Sharia (lei islâmica). Ah claro o mundo se transformar não é ruim como sair de uma democracia e ir para uma teocracia Islâmica apoiada por mais 95% dos muçulmanos em alguns dos seus 56 Estados ao redor do mundo como no Irã onde gays são enforcados e castigados em quase que na totalidade dos países muçulmanos dos quais em mts mulheres valem metade do que um homem, estupradas são apedrejadas por sexo antes do casamento, membros decepados se roubar isso inclui em muitos lugares crianças. O sionismo não é bom se for expansionista mas se for pra um povo viver em um estado com sua religião, cultura e idioma nos respectivos lugares sagrados porque não? É como negar à um muçulmano falar árabe, viver em meca ou Medina e observar sua cultura. Não sou anti islâmico assim como não sou anti sionista e acredito que o medo do mundo não é sobre o Islão mas sim anti a jihad, a sharia, o sexismo, homofobia que quer entrar no ocidente de carona. Não é por ser crente que vou impor minhas normas aos demais ou por ser judeu que vou querer que todos usem kippá ou seja porque o ocidente deve aceitar que um povo controle os demais apenas por que ele quer isso? Democracia é o direito pessoal e a Sharia é o público. Espero que não goste de beber pq em um estado muçulmano vc não vai poder, nem ter liberdade de expressão como demonstrou aqui. Passe bem senhor "li só até o capítulo 2"

    ResponderExcluir
  4. Com certeza o pensamento do colega a cima é considerável. De fato a teocracia islâmica não é tolerante (para não dizer totalmente contrária) com a diversidade. A Sharia é a completa propagação do que tem de pior no mundo, podemos citar em vários versos do alcorão a propagação da violência, da morte e da intolerância, como por exemplo o verso: "Sempre que eles forem encontrados, eles serão retidos e mortos sem piedade - uma morte violenta - uma morde horrível. [Alcorão 33:60]. Como um suposto "deus" que deseja o bem para todos diz uma coisa que vai contra os princípios da humanidade e da vida?. "Um mundo muçulmano seria um mundo de respeito e admiração as mulheres", como você explicaria, então, o fato de que todos os dias mulheres são estupradas, agredidas, apedrejadas, tratadas com pouco (ou quase nenhum) valor, crianças são obrigadas a se casarem com homens com o triplo da idade delas, sem gozarem de nenhuma liberdade, nenhuma ou pouca assistência e serem obrigadas a se calarem diante dos inúmeros abusos que sofrem a cada dia?. Se isso é admiração para você, não sei o que ódio significa. E ja que você diz que a burca e outras formas de vestimentas são tradições, como você explicaria o fato de que na Líbia as mulheres não usavam burca antes do islamismo?. Não fazia parte da cultura do país, e sobre ser um direito da mulher muçulmana, isso é no mínimo questionável, pois se ela não quiser usar a burca é considerada prostituta etc, como isso é um direito se não há opção de escolha?. Veja que falo de fatos comprovados e não especulações. Não sou anti islâmica nem anti sionista, mas acredito que nações que propagam a violência, a morte, a intolerância, a mentira e tudo que não seja contrário aos direitos dos seres tendem a se desmantelarem cedo ou tarde. Todos os seres (pelo menos da Democracia) tem liberdade para escolherem suas crenças, costumes, tradições, comportamento e isso é uma coisa que DEVE ser respeitada. O fato de não seguirmos a Sharia não quer dizer que somos Kafir, como também o fato se ser muçulmano não quer dizer que você é terrorista. TODOS, absolutamente TODOS os seres têm o direito de se expressarem, de questinarem, de escolherem como regerão suas vidas, independentemente de qualquer doutrina, religião, seita ou afins. São questões para tanto os muçulmanos quanto todos refletirem. "Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará" (João 8:32)

    ResponderExcluir

Obrigado Pelo Seu Comentário

Ocorreu um erro neste gadget

Visualizações de páginas da semana passada